volverponto de vista

Como aproveitar o verão em modo offline

Partilhar no:

facebooktwittergooglepluslinkedinmail

Finalmente, férias! O merecido descanso, o tempo livre, a família reunida e… poucos planos. As férias são, este ano, em versão mais caseira, ou pelo menos, na maior parte dos casos, em território nacional. Mesmo explorando outros recantos de Portugal, a tendência é escolher locais mais recatados e evitar o contacto com muitas pessoas. Fica-se mais tempo em casa, com o núcleo mais próximo, e as ideias para aproveitar o tempo livre acabam por escassear.

A forma mais simples de combater os tempos mortos é muitas vezes agarrar no telemóvel e abrir, uma atrás da outra, cada uma das redes sociais. Da conversa com uma amiga às fotografias das férias de anónimos e famosos, dos jogos que saltam em pop up aos anúncios de compras, passa-se uma tarde (e muitas vezes a noite) sem quase se dar por isso.

O problema é que, no balanço do dia, o telemóvel dá-nos muito tempo de ecrã e poucas memórias sobre algo produtivo daquele dia. Não estamos com falsos moralismos: as redes sociais são, sim, importantes e ensinaram-nos, sobretudo em tempo de confinamento obrigatório, novas estratégias para nos mantermos perto, mesmo longe. Trazem também para praça pública assuntos relevantes e dão palco a várias vozes. Mas não podem ser a nossa vida, mas sim fazer parte dela. Este verão, sem festivais e sem viagens, a experiência e a cultura fazem-se dentro de portas!

(Re)descobrir o prazer da leitura

 

Com o stress e a azáfama do dia a dia acabamos por muitas vezes, não conseguir focar a nossa atenção numa leitura, ao final do dia. Depois, o escasso tempo quando terminamos o trabalho, das tarefas domésticas e de todo o planeamento diário fazem com que o avanço na leitura seja demorado, o que acaba por esmorecer a vontade de acabar o que estamos a ler.

Nos dias longos de verão, o melhor é aproveitares o sol com um sumo natural, muito protetor, e entregarmo-nos a viagens de outros tempos e de outros lugares! Sozinho ou em família, mergulha em leituras para as quais habitualmente não tens tempo. É também uma excelente oportunidade para, em família, explorarem alguns livros que fazem parte do Programa Nacional de Leitura, numa preparação com calma para o novo ano letivo que se avizinha!

Sugestões:

  • A fada Oriana, de Sophia de Mello Breyner Andersen, ou O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry, são obras recomendadas pelo Plano Nacional de Leitura para os mais jovens. Mesmo que não sejam obras escolhidas na escola, são excelentes livros que treinam a empatia pelo outro, bem como noções de sentimentos e de ações. Para crianças e para adultos, são metáforas que ajudarão na vida de cada um. Para leituras mais leves, a coleção portuguesa Uma Aventura leva os mais pequenos a inúmeros lugares e peripécias, através de um grupo de cinco amigos. A coleção não é uma novidade, mas há sempre novos títulos.
  • Também parte do plano curricular opcional, mas desta vez para jovens do secundário, Os Maias, de Eça de Queiroz, ou O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago, são incontornáveis da literatura portuguesa. Ler ou reler este ou qualquer um dos outros livros destes autores é uma oportunidade não apenas de explorar outras épocas e personagens densas e das quais não se conseguirá desligar, mas também de explorar diferentes formas de escrita literária.
  • De leitura mais leve, mas excelentes companheiros dos dias de verão, as novidades em português incluem os livros A noite em que o verão acabou, de João Tordo, ou Margarida Cansada, de Rodrigo Guedes de Carvalho.

Música, companheira de todas as horas

 

Não é por bares e discotecas estarem (ainda) fechados e os festivais cancelados que não se pode dar um bom passo (ou dois) de dança, -em boa companhia! O melhor de uma pequena festa caseira (sempre cumprindo as normas de distanciamento!) é que não há músicas nas quais te encostas a um canto por não conhecer. Construam uma playlist em conjunto com todos os hits de verão. Nós damos o ponto de partida, com a nossa lista especial de verão!

Nem tudo é festa e nem tudo é dança, mas a música pode ser mesmo que falta, quer seja numa tarde de piscina ou num momento mais introspetivo. Felizmente, há playlists para todos os gostos e para todos os momentos, que podem dar uma ajuda a criar o ambiente! Em casa, um gira-discos dá simultaneamente um ambiente na decoração da casa e um som único a cada disco que escolherem.

Era uma vez…

 

É assim que começam todas as histórias de encantar, mas no mundo da sétima arte há uma infinidade de géneros e de filmes. Com as salas de cinema com limitação e oferta limitadas, as estreias em streaming e em televisão foram mais rápidas e a oferta é cada vez maior (e melhor!).

Na lista não deve faltar My Girl (1991). É uma das mais doces histórias, numa mistura de romance, drama e comédia sobre o primeiro amor de um casal na adolescência. Além das pipocas, o melhor é levar os lenços!

Bem mais recente é o filme Green Book (2018), vencedor do Óscar de Melhor Filme. A história de um pianista afro-americano de renome e da sua jornada profissional e pessoal com um homem inicialmente preconceituoso, e o desenvolvimento da amizade de ambos, é uma oportunidade de reflexão sobre temas que continuam, atualmente, na ordem do dia.  Embora se trate de um filme com um tema muito sério e atual, o filme tem um toque de comédia.

Por último, uma proposta para toda a família: o filme O Rei Leão, na versão original animada de 1994 ou no remake mais realista de 2019, é uma história que vai conquistar crianças e adultos. A história de Simba, as aventuras e desventuras de Timon e Pumba e as músicas que todos sabemos de cor vão fazer o serão!

 

Textos, Edição e Revisão: Cofina Media, S.A | Imagens: Cofina Media, GettyImages e iStock

E tu, és WiZinker?

E tu, és WiZinker?

No GPS Financeiro partilhamos as coordenadas para as melhores decisões financeiras, para tirares o melhor partido da utilização do teu cartão de crédito e desfrutares o mais possível.

Segue-nos em

Facebook YouTube