volverponto de vista

Como ter um dia, um mês e um ano organizados

Partilhar no:

facebooktwittergooglepluslinkedinmail

Ano novo, vida nova. O dia 1 de janeiro é a primeira página em branco dos 365 dias seguintes. Os desejos, as promessas, os planos e os objetivos estão bem frescos na memória. Nada vai falhar, tudo vai correr bem.

Passada a euforia e o espírito festivo, o quotidiano volta à normalidade. Quando retiramos os ornamentos, arrumamos também em caixas, inconscientemente, todos os planos que não iríamos esquecer. A grande culpada? A organização. Sim, organizar é a chave para conseguir encaixar todos os novos planos na vida que já tinha. Dia a dia, mês a mês, fixe a “organização” como meta para 2020! O primeiro passo?

No dia a dia, cada segundo é precioso

Levantar, vestir, tomar o pequeno-almoço, preparar a(s) marmita(s). Quantas vezes não fizemos esta rotina e quantas vezes não demos por nós atrasados para o emprego? A organização começa não quando se levanta, mas quando se deita: antes de ir para a cama, a manhã deve estar pré-preparada. Escolher a roupa e o calçado, preparar o almoço e pôr no frigorífico, pronto a levar. O despertador deve sempre ser programado para a mesma hora e, muito importante – longe da cama. De outra forma, o instinto pode ser desligá-lo, fechar os olhos, e adormecer! Nada conveniente para quem procura um dia organizado, certo?

O desenrolar do dia deve sempre estar mais ou menos estruturado, ainda que cada dia envolva atividades diferentes. Por exemplo, se a rotina inclui verificar o email mais do que uma vez ao dia, devem estipular-se horas para o fazer – quando se chega ao trabalho, antes ou depois do almoço, antes de dar o dia por terminado. Manter um diário, virtual ou em papel, no qual marcam todas as tarefas ajudará a que nada fique esquecido.

SUGESTÃO: No trabalho ou em casa, as listas de tarefas mostram-se eficazes como forma de organizar aquilo que tem para fazer. Além disso, a satisfação de fazer check em todos os pontos faz com que os níveis de motivação aumentem.

Mês a mês, sem derrapar

O ano começa, regra geral, com objetivos claros de contenção de gastos. Os gastos em prendas de Natal e na passagem de ano fazem com que as poupanças estejam perto da linha vermelha, o que faz soar alarmes e determinar “este ano vou poupar!”.

Entretanto, as montras enchem-se com letras garrafais a anunciar descontos imperdíveis, o inverno pede mais tempo de aquecedor ligado, o Dia dos Namorados bate à porta e exige celebração. Quando se dá conta, os meses e as despesas multiplicaram-se e a poupança perdeu-se.

Mais uma vez, as listas são úteis para o mês não descarrilar. Em primeiro lugar, é preciso fazer-se uma lista das despesas fixas essenciais e das secundárias. Cabem nas essenciais a prestação ou o aluguer de casa, as contas de água, eletricidade, gás e telecomunicações, os gastos em transportes (passes, gasolina, portagens,…), estimativa de compras de comida; já nas secundárias, deve incluir-se o ginásio, as refeições fora, as subscrições de serviços de streaming… A divisão dos gastos fixos em duas categorias tem um objetivo muito simples: se for necessário cortar, é mais fácil perceber em quê.

Depois de se fazer um levantamento de todas as despesas, é altura de confirmar a folha de ordenado e deixar de ganhar “mais ou menos x”. Uma pequena quantia faz uma grande diferença, por isso deve-se sempre estar atento ao valor exato de ordenado.

Terceiro e último passo: dividir para conquistar. Na prática, dividir o dinheiro que recebe de forma eficaz e, esperemos, lucrativa. Uma das teorias sugere uma divisão 50-30-20 do ordenado, em que 50% se destina a gastos fixos essenciais, 30% a gastos secundários e 20% à poupança. Este método é um ótimo ponto de partida e ajuda seguramente a poupar, mas é importante perceber a priori se é ou não possível para cada agregado específico. Por exemplo, se as despesas fixas ultrapassarem os 50%, terá de reduzir uma das percentagens; se, por outro lado, for menor, deve dar prioridade ao aumento da percentagem de poupança.

SUGESTÃO: No início do ano devem determinar-se os meses de maiores despesas (como o de pagamento de IRS ou seguros obrigatórios, o das férias, o do regresso às aulas ou o do Natal) e comparar com os de mais rendimentos (dos subsídios de Natal, de férias, ou nalguns casos do reembolso de IRS). Se possível, deve começar-se logo em janeiro a poupar para os meses mais complicados. Se depois houver excedente, o destino é simples: a poupança!

Um ano planeado: sem dificuldades e sem dores de cabeça!

Ainda nem saímos de janeiro e o ano já está praticamente todo organizado! As últimas dicas vão para quem não gosta (mesmo) de surpresas e quer tudo pensado ao pormenor. Primeiro investimento: uma agenda funcional, com espaço para apontar reuniões, gastos, ganhos, aniversários… As agendas de bolso são úteis para um planeamento imediato, mas as diárias agregam toda a informação que pode precisar apenas num sítio.

Para um planeamento de 2020 de fio a pavio, deve percorrer-se todos os dias do ano e marcar todos os aniversários e efemérides. Depois agrega-se essa mesma lista por mês e faz-se uma estimativa de gastos. A partir do momento em que as férias estiverem marcadas e o destino escolhido, o dinheiro que se pondera gastar também deve fazer parte da lista.

Agora sim, um ano inteiro planeado, sem surpresas! Se mesmo assim acontecer um imprevisto ou precisar de capital extra, os cartões de crédito WiZink poderão ajudar!

SUGESTÃO: Para ajudar ao controlo de todo o dinheiro que entra e sai das suas contas, e perceber onde anda a gastar mais (e se tal está de acordo com o seu planeamento) instala o Unido, uma App do WiZink Bank que disponibiliza o serviço de informação sobre contas. Disponível em Google play e App Store. Mais em www.unido.pt

Textos, Edição e Revisão: Cofina Media, S.A | Imagens: Cofina Media, GettyImages e iStock Photo

E tu, és WiZinker?

E tu, és WiZinker?

No GPS Financeiro partilhamos as coordenadas para as melhores decisões financeiras, para tirares o melhor partido da utilização do teu cartão de crédito e desfrutares o mais possível.

Segue-nos em

Facebook YouTube